1 de fevereiro de 2010

Ainda em relação ao "sou muito tolerante" e resposta à Chocolat.

Qual blog?
Eu neste fim de semana passei por uns 4 blogs com referencia ao casal e uns cento e tal comentários que começavam todos com uma das variantes do "sou muito tolerante e tenho uma mente muito aberta".
Já para não falar nos comentários à notícia propriamente dita.
É que o meu problema não é tanto (mas também, verdade seja dita) com a opinião em si, mas com a incoerência da opinião em relação às características que começam por dizer possuir.  
É como se fosse uma desculpa pela opinião que têm. Um "eu até sou tolerante mas isto ultrapassa todos os limites e por mais tolerante e por mais aberta que seja a mente de alguém é impossível não olhar de lado para isto".
A mim faz-me comichão.
Opinião todos têm. Independentemente de concordar com ela ou não, compreendo que haja muita gente que se sinta chocada, que não concorde, que ache estranho. O que eu não compreendo é ter uma opinião pela qual à partida sentimos que temos de apresentar uma carta de recomendação contraditória para a partilhar.
Chegando a um extremo a frase soa-me a "eu não sou uma pessoa violenta, mas à minha mulher tenho de dar uns tabefes para a meter na linha" ou (para não dar apenas exemplos negativos) "eu até sou grande fã do Hitler e admiro as suas ideologias, mas aquela parvoíce de querer matar os judeus e tudo quanto não fosse "ariano" puro segundo a sua cabecinha e desatar a tentar conquistar tudo e mais alguma coisa, ai isso eu acho absolutamente deplorável".
Quanto ao assunto propriamente dito, bom, eu sou razoávelmente tolerante, não tenho uma mente completamente aberta mas penso ser arejada e não acho aberração nenhuma uma mulher querer ser um homem e continuo a não achar difícil de compreender como um homem poderia desejar ardentemente ter um filho no seu ventre. Quanto a ter mudado de sexo e em vez de ficar com uma mulher ficar com um homem... voltamos ao ponto do "o amor não tem raça, sexo ou religião". Mas isto acho eu, que sou medianamente tolerante e tenho uma janela ou outra aberta na mente.

2 comentários:

gata disse...

tb li num blog estas pérolas, já nem sei em qual porque obviamente não é um blog onde eu queira voltar..

era um rol de «também penso assim, que horror, a aberração», salvava-se um ou outro comentário em dezenas deles.

não me choca a mudança de sexo, nem me choca a homossexualidade, choca-me que se assuma que determinada pessoa mudou de sexo só e apenas para satisfação sexual. esta gentinha esquece-se que há uma coisa chamada identidade e outra chamada paz de espírito, a meu ver.

Chocolat disse...

Pronto, não tinhas de me fazer um post...
Eu pensei mesmo que tivesses lido o mesmo post que eu. Pq acho que pertence a alguém aqui da tua lista.

O dito post(o tal que não sei em que url fica) era "meio" parvinho, realmente, mas achei que a confusão era a tal que te disse anteriormente. Porque essa partia do que a gata falou: perceber que uma coisa é a identidade sexual e outra é amar quem quer que seja.

Seja confusão, seja mentalidade aberta ou fechada, seja o que for, cada um tem direito à sua opinião. (E que seja muito feliz com ela desde que não a imponha aos outros.)
Não sei se a minha mente é aberta, fechada ou escancarada. Não gosto da palavra tolerante(para mim tolerar é aceitar algo mesmo não gostando muito).
Há coisas que não compreendo enquanto outras nem me passa pela cabeça dizer que tolero, porque para mim são normais. Como é o caso da sexualidade de cada um, ou o direito de amar X ou Y independente do tamanho, peso, sexo, cor ou credo.