24 de fevereiro de 2010

Mensagem no telemóvel:

“Vê lá se telefonas à tua mãe que ela já esteve mais longe de pegar na trouxa e ir , passo a citar, tratar da filha que logo foi adoecer sem ninguém que lhe deite a mão.”
A minha mãe não me pode ouvir doente ao telefone que me quer logo debaixo da asa. Não é só a mim... se alguma das pintas está adoentada a mãe-gu tem de estar em cima do acontecimento.
Há uns dois anos a Mariana apanhou varicela e foi raptada para casa da avó durante uma semana. A Raquel não pode tossir duas vezes seguidas que fica logo sem ir para o jardim de infancia, não vá a menina estar a chocar alguma coisa. Quando a minha irmã está doente a mãe-gu vai levar-lhe o almoço e o jantar a casa, fica com as meninas e dá um jeitinho à casa.
A mãe-gu é uma unidade de cuidados intensivos móvel.

3 comentários:

ameixa seca disse...

As verdadeiras mães são mesmo assim :)

gata disse...

a minha avó era assim :)
a minha mãe nem por isso, gosta mais que cuidem dela ;)

Taralhoca disse...

E quem é que não quer uma mãe-gu? Sobretudo se doer a moleirinha, estiver ranhosa e empanadinha...